Tornando realidade os direitos das trabalhadoras sexuais na Irlanda

Em 4 de fevereiro, trabalhadoras sexuais e apoiadores lançaram o documento pioneiro que publicamos aqui, sobre a realidade do trabalho sexual no país. Trazendo os pontos de vista das trabalhadoras sexuais, de advogados e de acadêmicos, o estudo se baseia em pesquisas internacionais e estabelece uma resposta de direitos humanos e justiça social.

Ler mais

Suécia: estudo sugere que lei de criminalização de clientes é um fracasso

A Rede Global de Projetos de Trabalhadoras Sexuais (NSWP) analisa um novo relatório sobre os efeitos da lei que criminaliza clientes de trabalhadoras sexuais na Suécia. Elaborado a pedido da a Associação Sueca para Educação em Sexualidade (RFSU), o estudo conclui que os efeitos positivos da proibição têm sido muito exagerados e levaram a uma vulnerabilidade maior para as trabalhadoras sexuais.

Ler mais

Lei antiprostituição do Canadá aumenta temor sobre segurança das trabalhadoras sexuais

No ambiente luxuoso do Ritz Carlton, no centro de Toronto, Delight ergue uma taça gelada de Sauvignon Blanc. Não é um ato de comemoração, é mais uma tentativa de afogar o desespero.
Delight se reuniu com um grupo de colegas trabalhadoras sexuais para marcar o momento quando, pela primeira vez na história do Canadá, comprar sexo tornou-se ilegal. Logo depois da aprovação da lei, nem uma única voz falou em abandonar o jogo. “Foi mais ou menos como dê a si mesma um dia para ficar triste, e levante-se amanhã e vá trabalhar”, disse Delight.

Ler mais

Depoimento: modelo sueco reprime direitos de cidadania

Pye Jakobsson, presidente da NSWP (Rede Global de Projetos sobre Trabalho Sexual) comenta um artigo elogioso ao chamado Modelo Sueco, publicado em 26 de novembro pelo Gay News Network, da Austrália.
“Sou uma trabalhadora sexual sueca e… sempre acho um pouco curioso quando pessoas virtuosas pensam que são tão mais inteligentes do que o UNDP (Programa de Desenvolvimento da ONU), o Unaids (programa Conjunto da ONU para HIV/Aids) e a OMS (Organização Mundial da Saúde), que são, todas elas, a favor da descriminalização do trabalho sexual e contra o Modelo Sueco…”

Ler mais

Irlanda do Norte: Nova lei que criminaliza a compra de sexo é paternalista e problemática

Fionola Meredith
Stormont, a sede do Legislativo da Irlanda do Norte, pode estar desabando em torno de seus ouvidos – quebrados, rancorosos e disfuncionais -, mas se há uma coisa sobre a qual os divididos políticos da Irlanda do Norte podem estar sempre certos em concordar, é a regulamentação e o controle dos corpos das mulheres. Tudo para o bem delas, é claro. É por isso que a Assembleia da Irlanda do Norte votou, por ampla maioria, a favor da proibição da compra de sexo.

Ler mais

Irlanda apresenta projeto de lei que torna crime pagar por sexo

A ministra da Justiça da Irlanda, Frances Fitzgerald, publicou um rascunho de lei de crimes sexuais nesta quinta-feira, com uma série de mudanças propostas. Caso passe, a lei vai criar o crime de compra de serviços sexuais no contexto da prostituição. Uma lei semelhante avança na Assembleia da Irlanda do Norte.

Ler mais

Relatório: o modelo sueco de criminalizar o trabalho sexual

Um belo exemplo de colaboração internacional entre trabalhadoras sexuais, num momento em que vários países discutem projetos de legalização da prostituição e outros debatem a criminalização de clientes. O que mudou e o que ficou igual desde que o governo sueco criminalizou o trabalho com sexo, mais de uma década atrás? Quais são os resultados das políticas de tolerância zero na Suécia? O relatório foi disponibilizado em inglês pela Global Network of Sex Work Projects (NSWP).

Ler mais

Trabalho sexual no Reino Unido: O que exatamente significa descriminalizar a prostituição?

Nesta semana um artigo na The Economist reacendeu o debate em torno da legalização do trabalho sexual no Reino Unido. Brooke Magnanti explora como seria a descriminalização e diz que estamos muito atrasados no que se refere a repensar os direitos dos trabalhadores.

Ler mais