Amara em mim – E se eu fosse puta?

E então, finalmente, terminei de ler o livro de estreia de Amara Moira, E se eu fosse puta? – lançado em agosto pela editora Hoo.
Em meio a um voo bastante turbulento – e eu, morrendo de inveja do parceiro da poltrona ao lado, imerso em sono tão profundo que chegava a roncar. Voo quase tão turbulento quanto tem sido minha vida desde que entrei no putativismo. Amara me fazendo companhia, e eu mergulhando em suas histórias como a aeronave mergulhava em nuvens carregadas, para em seguida voltar a navegar firme e tranquilamente.

Ler mais

E se eu fosse puta? A escrita como provocação

Por Henrique Marques Samyn

A elevada qualidade do livro de Amara Moira transparece já no texto que abre E se eu fosse puta: ali se faz presente toda a pluralidade temática que perpassa os escritos reunidos na obra. A ansiedade da estreia nas ruas; a tensa relação com os clientes – oscilando entre o prazer e o perigo, para usar a expressão consagrada pelo título do crucial volume organizado por Carole Vance; a experiência de construção (por vezes catártica, por vezes dolorosa) de novos modos de exercício da sexualidade; enfim, o relato de um tornar-se que traz à tona vivências e prazeres que os guardiões dos bons costumes preferem relegar às sombras, onde podem conhecê-los sem colocar em risco uma reputação alicerçada na hipocrisia.

Ler mais

Como usar entrelinhas de anúncios para oferecer serviços sexuais (ou: o que prostitutas portuguesas do início do século XX podem ensinar aos ‘abolicionistas’ argentinos)

Uma das mais recentes propostas antiprostituição em pauta na Argentina é o Projeto Larroque, que pretende proibir qualquer tipo de anúncio de serviços sexuais, inclusive na internet. Como abolicionistas não costumam estudar a história da prostituição, não sabem que as prostitutas de outrora já tiveram que lidar com empecilhos desse tipo, e saíram-se muito bem na tarefa.

Ler mais

Dica de leitura: O ano em que trafiquei mulheres

Não dá pra fugir do assunto “tráfico” (muito embora o mais conveniente seja simplesmente grudar na parede um cartazinho dizendo “apoiamos o enfrentamento ao tráfico humano”, outro com “somos contra a exploração sexual de menores” e assunto encerrado).
Não dá pra fugir do assunto “tráfico humano” quando se quer tratar de modo sério e responsável a questão do trabalho sexual.
Não dá pra ignorar o que dizem as leis sobre nosso consentimento ser irrelevante quando se trata de viajar para trabalhar em outra cidade-estado-país – e de que modo isso afeta o nosso trabalho e mesmo as estatísticas sobre tráfico humano para exploração sexual.

Ler mais

San Francisco: festival de artes mostra capacidade de organização das trabalhadoras

De 15 a 24 de maio acontece o 9° Festival de Cinema e Artes das Trabalhadoras Sexuais da Área da Baía de San Francisco, em várias cidades em torno de San Francisco (Califórnia).
O evento, que é realizado a cada dois anos, é gigantesco – um testemunho da capacidade de iniciativa e de organização das trabalhadoras sexuais daquela região. É uma verdadeira aula para quem tem interesse na formação de lideranças e na criação e condução de organizações de defesa dos direitos das trabalhadoras sexuais.

Ler mais

Montse Neira: “Se nós, putas, falássemos, a instituição idílica do casamento entraria em colapso”

Montse Neira, 52, exerce a prostituição há 22 anos e acaba de desvelar sua vida em um livro. “Apesar de não ser uma profissão idílica”, diz ela, permitiu-lhe “que saísse da pobreza, fosse feliz e estudasse.”
Neira, que há poucos anos formou-se em Ciência Política na Universidade Autônoma de Barcelona, explica: “As prostitutas são mulheres como as outras, com os mesmos desejos e necessidades, com a nossa família, os nossos filhos e os nossos problemas, e nosso único pecado é o desejo de deixar de ser pobre.”

Ler mais

A mãe e a puta

Juniper Fitzgerald
Eu pertenço a uma classe de pessoas conhecidas apenas como putas. Nossas sombras se derramam sobre paralelepípedos noturnos, nossas vidas existem em sobras de filmes de pernas e bundas. Somos sociopatas ou vítimas infantis, dependendo de para quem você pergunta. Nossas mortes são emolduradas por supostas evidências de passados excitantes, ainda que sujos; a violência contra nós é um exercício em inevitabilidade. E nas raras instâncias em que a prudência e a virtude nos permitem um respiro de intimidade não adulterada, mantemos um olho aberto por causa do medo de perder tudo.

Ler mais