Marxismo para prostitutas

Magpie Corvid
Minha história é a mesma de muitos milhares de pessoas que se encontraram incapazes de encontrar trabalho estável e decentemente pago. Nossa história é sobre austeridade; nós estamos em todos os lugares, subsistindo através de escassos benefícios, empregos de meio período e alguns trabalhos ocasionais. Algumas de nós trabalham por conta própria; algumas de nós criam websites; algumas de nós consertam carros, e algumas de nós exercem trabalho sexual.

Ler mais

Canadá: dominatrix com deficiência obtém indenização por dano cerebral

Andree Lau
“Eu sei tricotar. Você quer que eu me sente aí e tricote?”, Alissa Afonina diz, com um sorriso que poucos chegam a ver. Estamos encerrando nossa entrevista, em seu apartamento na área de Vancouver, e precisamos de algumas imagens a mais. Perguntamos sobre o balanço erótico em um dos quartos. “É como uma rede. Posso me sentar nele e ler”, ela explica. Nós aceitamos sua sugestão de filmá-la amarrando suas botas pretas com plataforma de 6 polegadas, que sobem até suas coxas. Afonina, 23, é uma dominatrix profissional que trabalha sob o nome Sasha Mizaree. Ela é paga para assumir o controle de um cliente submisso – tipicamente masculino – em sessões de papéis sadomasoquistas.

Ler mais

Lei antiprostituição do Canadá aumenta temor sobre segurança das trabalhadoras sexuais

No ambiente luxuoso do Ritz Carlton, no centro de Toronto, Delight ergue uma taça gelada de Sauvignon Blanc. Não é um ato de comemoração, é mais uma tentativa de afogar o desespero.
Delight se reuniu com um grupo de colegas trabalhadoras sexuais para marcar o momento quando, pela primeira vez na história do Canadá, comprar sexo tornou-se ilegal. Logo depois da aprovação da lei, nem uma única voz falou em abandonar o jogo. “Foi mais ou menos como dê a si mesma um dia para ficar triste, e levante-se amanhã e vá trabalhar”, disse Delight.

Ler mais