O manifesto do sindicato STRASS: “Saint Nizier 1975-2015: 40 anos de luta”

Para celebrar o 40° Dia Internacional da Prostituta, em 2 de junho, o STRASS – Sindicato do Trabalho Sexual, que representa @s trabalhador@s sexuais frances@s, organizou os Encontros Internacionais dos Trabalhadores do Sexo, em Lyon – justamente onde o movimento começou, com a ocupação da igreja de St. Nizier. O STRASS publicou na última semana o seguinte manifesto:

Há 40 anos nascia o que se tornaria o grande evento fundador do movimento dos trabalhadores sexuais: revoltadas com uma repressão crescente, que as mandava para a prisão por sua mera presença em lugares públicos, as prostitutas de Lyon ocuparam a partir do dia 2 de junho a igreja de Saint Nizier, para protestar contra as prisões.

Muito rapidamente o movimento se ampliou, outras igrejas foram ocupadas, estendendo-se até Londres, onde nasceu em seguida o Coletivo Inglês de Prostitutas.

Quarenta anos mais tarde, os trabalhadores sexuais ainda são vítimas de repressão cotidiana e de uma estigmatização crescente.

Quarenta anos depois, não só o delito de solicitação instaurado em 2003 não foi revogado, como um projeto de lei visando reforçar essa repressão, notadamente com a criminalização dos clientes de trabalhadoras sexuais, em breve será debatido na Assembleia Nacional.

Faz, portanto, 40 anos que nós lembramos que a repressão, longe de nos salvar, não faz mais do que favorecer nossa exploração.

Quarenta anos em que, apesar do estigmas, nós tomamos a palavra para denunciar as violências de que somos vítimas, em primeiro lugar a violência policial.

Quarenta anos em que, em resposta a todos os discursos contra nós, argumentando que somos incapazes, nós nos organizamos e lutamos por nossos direitos!

Porque 40 anos depois, ainda estamos aqui, e os convidamos a juntar-se à manifestação pelos direitos dos trabalhadores do sexo em 2 de junho, na praça Saint Nizier, às 14h, para exigir junto conosco:

– o fim da repressão ao trabalho sexual, a revogação do delito de solicitação, a revogação das leis sobre proxenetismo, o abandono do projeto de criminalização dos clientes e o cancelamento das detenções com base em leis municipais antiprostituição;

– a regulamentação de todos os trabalhadores sexuais indocumentados;

– a revalorização da assistência social, principalmente para as mães solteiras e @s estudantes;

– a despatologisação das transidentidades e a proibição da discriminação baseada em identidade de gênero.

Convocação do STRASS – Sindicato do Trabalho Sexual, Cabiria, Frisse, Lesbian and Gay Pride de Lyon e Moove Lyon.

O programa do encontro:

Programa

Domingo, 31 de maio:

Centro Aris, 19 rue des Capucinsm 69001 Lyon

9h-9h30: Boas vindas: chá, café

9h30-11h: Plenária de abertura: situações locais

11h-11h15: pausa: chá, café

11h15-12h45: atelier 1: HIV e trabalho sexual: questões políticas*

atelier 2: Foco na situação na Espanha e na Alemanha

12h45-13h45: almoço

13h45-15h15: atelier 1: Perspectivas políticas da luta dos trabalhadores sexuais

atelier 2: Condições de trabalho*

15h15-15h30: pausa: café, chá

15h30-17h: atelier 1: defesa contra a repressão*

atelier 2: saúde e prevenção*

20h30-0h: filmes e performances

La Toxik, 20 rue Christian de Wett, Villeurbanne

Segunda-feira, 1° de junho

9h-9h30: Boas vindas: chá, café

9h30-11h: atelier 1: STRASS*

atelier 2: Trabalhadores sexuais e migrações*

11h-11h15: pausa: chá, café

11h15-12h45: atelier 1: Abolição e criminalização de clientes*

atelier 2: Trabalho sexual e BDSM: intercâmbio de práticas*

12h45-13h45: almoço

13h45-15h15: Foco na situação na França e no Reino Unido

atelier 2: Autodefesa*

15h15-15h30: pausa: café, chá

15h30-17h: Plenária final: perspectivas políticas internacionais

Terça-feira, 2 de junho

Entrevista coletiva à imprensa

14h: Manifestação na praça Saint Nizier

Os eventos marcados com * são exclusivamente para trabalhadores sexuais.