Estatísticas zumbis sobre trabalho sexual

Por Brooke Magnanti para The Baffler

Tradução de Monique Prada

Como ex-acompanhante, posso dizer com certeza que quase tudo o que se sabe, ou pensa que se sabe, sobre o dinheiro envolvido no trabalho sexual é errado. E, como uma ex-estatística, eu sei que os números definitivamente são.

No mês passado, o Escritório do Reino Unido para Estatísticas Nacionais (UK’s Office for National Statistics – ONS) divulgou seus planos para adicionar cálculos para as contribuições do trabalho sexual e venda de drogas para o PIB, como já acontece em vários outros países, e em breve será exigido em toda a União Europeia. O total que sugeriu? Uma impressionante soma de £ 10 bilhões por ano. Isto chamou imediatamente a atenção da mídia sobre alguns pontos de venda, sugerindo que as drogas e a prostituição valem mais para a economia do Reino Unido do que a agricultura.

Tendo um olhar mais atento sobre os métodos utilizados para chegar a este número, porém, eu sei que este total é muito alto. De fato, parece possível que o total seja de uma ordem de grandeza muito elevado. Certamente, a peça produzida pelo modelo do ONS de cálculo do trabalho sexual é problemática em vários aspectos.

A estimativa do número de profissionais do sexo em um determinado país é uma arte, não uma ciência. É um problema de Fermi com uma história de ser mal usado ou mal interpretado. O termo “trabalhadora do sexo” é frequentemente confundido com prostituição baseada na rua, ou trabalhadores que acessam serviços de proximidade. Como resultado, esses números têm sido usados ​​para justificar agendas de financiamento em organizações não-governamentais, como instituições de caridade que beneficiam diretamente a partir de disposições para reabilitar trabalhadores do sexo.

Há um perigo em confiar em estatísticas desatualizadas… Foto de Paul Downey.

A estatística mais citada no Reino Unido é uma estimativa a partir de 1999 para a Rede Europeia – projeto de Prevenção de DST/HIV na prostituição (EUROPAP), obtida por Hilary Kinnell. Isso colocou o total de trabalhadores do sexo no Reino Unido em torno de 80.000. No entanto, a metodologia de Kinnell contou com uma boa dose de adivinhação; enquanto a prostituição é legal na Grã-Bretanha, também é altamente estigmatizada, ou seja, os únicos trabalhadores do sexo que entram em contato com os serviços de extensão e clínicas tendem a ser no fim das contas os mais vulneráveis. Acompanhantes e garotas de programa em grande parte passam desapercebidos, e seus números e hábitos de trabalho, sem sua contribuição direta para efeitos de pesquisa, só podem ser imaginados. Kinnell comentou sobre quão surpresa ficou pelo fato de o número ter tido uma vida tão longa, dado as suas próprias advertências sobre o mesmo.

Talvez órgãos governamentais tenham se aproveitado deste número por ser maior do que a maioria, como uma estimativa de 2001, que reduziu o total a modestos 53.000. Claro, mesmo se considerando o que estiver mais perto da verdade, ambos estão mais de uma década atrasados. Dadas as flutuações da oferta que se seguem a períodos de recessão continuado como tivemos no Reino Unido, juntamente com a introdução de taxas universitárias para estudantes britânicos, é razoável sugerir que a imagem de 15 anos atrás é muito diferente da de agora.

Os relatórios sugerem que mais estudantes entraram para o trabalho sexual na década passada, a fim de compensar o custo de seus estudos, e que o dinheiro que troca de mãos em serviços caiu durante esse mesmo período de tempo. Enquanto opositores do trabalho sexual muitas vezes sugerem o “end demand” como uma abordagem ao que é frequentemente considerado um mal social, poucos parecem ter considerado o impacto do aumento da oferta. Apesar de muitas vezes citada, a estatística desatualizada de Kinnell não era realmente o que o ONS usou em sua última avaliação – é ainda pior do que isso.

Acontece que o ONS tem a sua estimativa do número atual de profissionais do sexo vinda de Eaves para Mulheres, uma instituição de caridade que trabalha apenas com mulheres, apenas em Londres, e que vem sendo criticada por seus métodos estatísticos no passado. E o que dizer de homens que pagam por sexo com outros homens, o que representa a maioria dos trabalhadores do sexo masculino? Como é de costume, quando a prostituição é discutida, profissionais do sexo gays estão sendo apagados da história.

O ONS não entrou em contato com qualquer dos proeminentes pesquisadores de trabalho sexual. Recentemente, entrei em contato com alguns deles – como Belinda Brooks-Gordon, uma comentarista frequente sobre trabalho sexual e políticas públicas, e Teela Sanders, cujo trabalho sobre strippers e outros trabalhadores em indústrias relacionadas ao sexo é amplamente coberto por jornais do Reino Unido – e todos confirmaram que não haviam sido abordados pelo ONS.

O ONS está errado sobre os ganhos mensais de trabalhadores sexuais também. Eles parecem ter adivinhado a média de ganhos de um trabalhador do sexo através da leitura de PunterNet, um site para os clientes da prostituição. Também é um local popular para escorts femininos anunciarem. Embora possa dar uma estimativa aproximada da vida de trabalho de algumas pessoas, ele está sujeito à inflação, e representa apenas um seleto grupo de trabalhadores, muitos dos quais estão no ponto mais alto de renda. Fornecer uma estimativa mais precisa da renda é difícil, mas tendo em conta as muitas variedades de trabalho sexual é seguro assumir que a média de todos os trabalhadores do sexo é um pouco menor do que os trabalhadores independentes indoor. Então, para o seu cálculo de quantos clientes os profissionais do sexo tem em uma semana, o ONS se baseou em pesquisa realizada na Holanda. Não é preciso ser um gênio para detectar que uma comparação entre o trabalho sexual em um país onde é legal e fortemente regulamentado, e um onde é legal, mas ainda rotineiramente criminalizado, simplesmente não será equivalente ou útil. O ONS também está errado em suas estimativas de quantos clientes uma profissional do sexo no Reino Unido atende em uma semana. Foi “calculado” vinte e cinco clientes por profissional do sexo por semana, em média. Em nenhum momento como uma profissional do sexo eu jamais vi vinte e cinco clientes em uma semana, muito menos em “média.” Com bordéis criminalizados (a tolerância de saunas em Edimburgo e walkups em Soho londrino têm estado recentemente sob ataque de polícia), é improvável que qualquer profissional do sexo em tempo integral no Reino Unido teria tal volume de negócios. E a maioria dos trabalhadores do sexo aqui não atua em tempo integral. Finalmente, o modelo também não dá subsídios para a dupla contagem. Muitas profissionais do sexo já estão declarando sua renda para fins tributários; eles apenas declaram sob os rótulos vagos como “massagem” ou (no meu caso) “serviços pessoais”.

Preocupada com estas imprecisões, entrei em contato com os pesquisadores do ONS diretamente para perguntar sobre o seu modelo. Os investigadores me disseram que estavam sob pressão de tempo para chegar a um número, com as diretivas da União Europeia exigindo um resultado antes de setembro e, portanto, não tem tempo para entrar em contato com mais ninguém sobre os números de prostituição. Dado que muitos livros tem sido escritos sobre o tema, e que muitos acadêmicos têm falado sobre na mídia, como isso é desculpável?

Quando as estatísticas sobre o trabalho na indústria do sexo estão erradas, isso é importante. Para as organizações que dependem de pessoas que acreditam que a indústria do sexo é enorme para assegurar o financiamento, a inflação desses números é uma vitória. Mas para os próprios profissionais do sexo, que podem enfrentar policiais e fiscais e investigações mais intrusivas alimentadas por representações irrealistas da indústria, no entanto, o fracasso do ONS para corrigir seu modelo fortemente falho é um desastre. Já a figura imprecisa “£ 10 bilhões” entrou discussão pública como um fato. Tome nota, acabamos de ver uma futura estatística zumbi na tomada.


Brooke Magnanti, cientista e escritora, é autora de The Sex Myth: Why Everything We’re Told is Wrong.

Siga-a noTwitter: @bmagnanti.